O empreendedorismo é seu futuro

No mundo das empresas familiares, os empreendedores que destacamos são, em geral, fundadores de empresas. Essas pessoas inteligentes, que não têm receio de trabalhar duro, descobrem boas oportunidades de negócios, juntam algum dinheiro e reúnem alguns colaboradores fiéis, para então montar uma empresa capaz de decolar. Espera-se que os herdeiros do fundador e as gerações posteriores da família cuidem da criação do primeiro empreendedor e continuem seu trabalho, expandindo o negócio. Mas não espera-se que os sucessores sejam empreendedores. Até mesmo tentar reinventar a empresa familiar pode ser visto como algo desleal pela família. É comum que tal restrição destrua a empresa familiar. Em nossa opinião, já é hora de reavaliar a importância dos empreendedores para a continuidade da empresa familiar e para o sucesso contínuo da própria família.

Os gestores de sua principal atividade que pensam como empreendedores (conhecidos como intraempreendedores) podem identificar novas oportunidades, levar sua empresa a novas linhas de negócio, rejuvenescer o legado do fundador e colocar sua empresa familiar em uma nova rota de expansão. Já os empreendedores (membros da própria família, em geral) que atuam fora da empresa familiar, mas com suporte financeiro da família, mantêm os membros talentosos da mesma dentro de um “empreendedorismo familiar” mais amplo, sendo assim capazes de diversificar as atividades da empresa familiar e desenvolver os ativos familiares.

As famílias que desejam permanecer operando por mais gerações não têm realmente outra escolha, a não ser encorajar o empreendedorismo dentro e fora da empresa familiar. Há razões da empresa e razões da família que nos comprovam a veracidade desse fato.

 

RAZÕES DA EMPRESA

No ambiente competitivo de hoje, com rápidas mudanças tecnológicas e setores em acelerada evolução, não é mais possível ficar preso a qualquer das linhas atuais de negócios ou dos métodos atuais para atender necessidades dos clientes. É preciso mudar periodicamente o que se produz e se vende e, provavelmente, como se produz e se vende. É preciso ser ágil e, à medida que certas linhas de negócios entram em declínio, deve-se identificar novas oportunidades de crescimento – dentro e fora do principal setor de atuação – e então tirar proveito dessas oportunidades de modo experimental e econômico. Para isso, é necessário ter a atitude de um empreendedor, capaz de enfrentar riscos e utilizar múltiplos recursos.

Nem todos possuem uma mentalidade empreendedora; além disso, são necessários ainda gestores e funcionários com mentes operacionais, com experiência em escalonar vendas de produtos comprovados e tornar as operações mais eficientes. Sem falar

em bons profissionais de escritório, essenciais para dar suporte ao pessoal de campo. Mas é sempre preciso dispor de funcionários com mentalidade empreendedora.

 

Empreendedores são craques em identificar oportunidades comerciais e em fazer com que novos produtos e serviços decolem, mesmo quando não controlam as pessoas e os recursos que necessitam para atingir esses objetivos. Eles sabem como atrair pessoas que possam ajudá-los com ideias ainda comprovadas, como tomar emprestado os recursos que não têm condições de adquirir e como criar interesse nos compradores em suas atividades. Alguns os veem como profissionais que gostam de assumir riscos mas, na verdade, são bons em fazer com que outras pessoas assumam riscos. É essencial ter algumas pessoas desse tipo em sua empresa familiar e em sua família.

 

As famílias que desejam permanecer nos negócios por mais gerações não têm realmente outra escolha, a não ser encorajar o empreendedorismo dentro e fora da empresa familiar.

RAZÕES DA FAMÍLIA

Passamos muito tempo estudando porque algumas famílias permanecem financeiramente bem-sucedidas ao longo das gerações, enquanto outras não. Na verdade, a maioria delas não atinge ess

e objetivo. Há três razões para o sucesso das famílias. Em primeiro lugar, famílias bem-sucedidas enxergam mudanças importantes em seus setores e se adaptam a tais mudanças diversificando sua atuação, em novas atividades com possibilidade de expansão. Em palavras simples, famílias bem-sucedidas são empreendedoras.

Em segundo lugar, certas famílias são bem-sucedidas porque investem em atividades produtivas (incluindo o desenvolvimento da geração seguinte), enfatizam os ativos em crescimento e consomem relativamente pouco de sua riqueza. Essas famílias mantêm uma cultura que estimula seus membros a criar bens de valor duradouro. Não é surpresa que tais famílias estimulem empreendedores.

Em terceiro lugar, famílias bem-sucedidas permanecem razoavelmente unidas – mantendo fiéis entre si e à missão da família aqueles membros que apoiam as atividades familiares. Ao longo das gerações, à medida que as famílias se diversificam, é provável que apenas alguns membros em cada geração venham a trabalhar na empresa familiar. Outros membros talvez apoiem as ações filantrópicas ou as atividades sociais da família. Em alguns casos, esse nível de envolvimento é suficiente para manter a unidade familiar.

Mas investir em empreendedores familiares pode fazer também com que esses talentosos membros contribuam para a riqueza e a missão globais da família (a nova geração de millennials – entre 15 e 30 anos – parece particularmente interessada em se tornar uma geração de empreendedores). Investir em empreendedores familiares é algo que deve ser feito de forma objetiva, com base na viabilidade de seus planos empresariais e também de modo justo para com toda a família. Mesmo que alguns projetos de empreendedorismo não sejam bem-sucedidos, você pode descobrir talentos internos para sua empresa familiar. E, ao mesmo tempo, você estará enviando uma importante mensagem à sua família: esta família assumiu o compromisso de criar valor.

—————————————————————————————————————

Professor John A. Davis

Fundador e Presidente, Cambridge Institute for Family Enterprise

Faculty Director, Family Enterprise Programs, MIT Sloan School of Management

John A. Davis é globalmente reconhecido como pioneiro e é uma autoridade no estudo de empresas familiares. Ele é pesquisador, instrutor, autor e arquiteto das estruturas conceituais de maior impacto nesses campos, assim como consultor de importantes famílias ao redor do mundo.

Michael Roberts

Associado, Cambridge Institute for Family Enterprise

Michael Roberts trabalhou na faculdade da Harvard Business School por 25 anos, onde atuou na unidade de empreendedorismo. Foi também diretor executivo do Arthur Rock Center for Entrepreneurship. Ele é atualmente associado do Cambridge Institute for Family Enterprise, onde ministra treinamento sobre empreendedorismo para empresas familiares.

 

 


The copyright on this article is held by Cambridge Family Enterprise Group®. All rights reserved. Articles may be available for reprint with approval. For permission to duplicate, distribute, or copy, in whole or in part, contact [email protected]